FANDOM


O Coringa
Jkr
Informações Gerais
Alter ego Desconhecido
primeira aparição Batman #1 (25.04.1940)
criador Jerry Robinson (conceito)
Bill Finger
Bob Kane
afiliações Gangue da Injustiça
Liga da Injustiça
Liga da Justiça do Arkham
Originalmente The Joker
Poderes e Habilidades
Habilidades Químico habilidoso
Experiente em combate corpo-à-corpo ou com armas brancas
Acesso à uma variedade de equipamentos
Equipamento Armas, Gás do Riso, Dentaduras, Ácido...

Coringa (no original, The Joker) é um supervilão fictício que aparece nos livros de banda desenhada norte-americanos publicados pela DC Comics. Foi criado por Jerry Robinson, Bill Finger e Bob Kane e apareceu pela primeira vez em Batman #1 (Abril de 1940). Parcialmente inspirado em Gwynplaine, um dos personagens principais do romance L'Homme qui rit (O Homem que Ri) de Vitor Hugo, os créditos para a criação do Joker são disputados; Kane e Robinson reclamam responsabilidade pelo seu desenho, apesar de reconhecerem a contribuição de Finger na escrita. De acordo com o plano inicial, o Joker deveria ter morrido na sua primeira aparição, mas foi poupado por uma intervenção editorial, permitindo assim que o personagem fosse progredindo como o célebre arqui-inimigo do super-herói Batman. O Joker também é conhecido por outros nomes, incluindo "Clown Prince of Crime" (Príncipe Palhaço do Crime), o "Jester of Genocide" (Bobo do Genocídio), o "Scourge of Gotham" (Flagelo de Gotham), o "Harlequin of Hate" (Arlequim do Ódio), o "Ace of Knaves" (Ás de Valetes), "Clown" (Palhaço) e "Jokester" (Piadista).

Nas suas aparições nos livros de banda desenhada, o Joker é retratado como um génio do crime. Introduzido como um psicopata com um sentido de humor sádico e doentio, o personagem tornou-se no final da década de 1950 um ladrão pateta e brincalhão, como resposta à regulação do "Código dos Quadrinhos" (Comics Code Authority), antes de regressar às suas raízes mais negras durante os anos de 1970. Como o nemesis de Batman, o Joker tem feito parte de algumas histórias que definem o super-heroi, incluindo o assassinato de Jason Todd (o segundo Robin sobre a tutela de Batman) e a paralisia de um dos aliados de Batman, Barbara Gordon. Durante as décadas em que tem aparecido, o Joker tem tido várias histórias sobre a sua origem. A mais comum delas apareceu pela primeira vez em Detective Comics #168 (Fevereiro de 1951), e envolve a sua queda para dentro de um tanque de desperdícios químicos que branqueia a sua pele, torna o seu cabelo verde e os seus lábios vermelhos; o resultado da sua desfiguração leva-o à loucura e adoptou o nome "Joker", a partir da figura das cartas de jogo que ele veio a assemelhar-se.[6][7] Como a antítese da personalidade e da aparência de Batman, o Joker é considerado pelos críticos como o seu adversário perfeito.

O personagem não tem habilidades sobre-humanas, em vez disso, usa a sua experiência em engenharia química para desenvolver misturas tóxicas e/ou letais, bem como armamento temático, incluindo cartas de jogo com pontas cortantes, campainhas de brinquedo mortais e flores de lapela que projectam ácido. Apesar do Joker por vezes trabalhar com outros super-vilões, como o Penguin e o Two-Face, e em grupos como Injustice Gang e Injustice League, tais relações acabam muitas vezes por entrar em colapso devido ao constante desejo do Joker em procurar o caos desenfreado. A década de 1990 introduziu um interesse romântico no Joker na forma da sua ex-psiquiatra, Harley Quinn, que se torna inclusive na sua parceira no crime. Apesar da sua grande obsessão ser o Batman, o Joker já foi adversário de outros heróis como o Superman e a Wonder Woman.

Um dos mais icónicos, se não o mais reconhecido, personagens da cultura popular,[8][9] o Joker tem sido citado como um dos maiores vilões e personagens da banda desenhada alguma vez criados,[10][11] e "muito possivelmente mais interessante que o seu homólogo super-herói."[12] A enorme popularidade da personagem já o fez aparecer numa grande variedade de produtos, como roupa e objectos de coleccionismo, videojogos, estruturas reais (como atracções de parques temáticos) e várias outras referencias noutros media, para além de ser o primeiro vilão a ter a sua própria série de banda desenhada, The Joker (1975-1976). As revistas Wizard e Complex colocaram-no em #1 nas suas listas dos "Melhores Vilões da Banda Desenhada".[6] Numa publicação semelhante, o IGN posicionou-o em #2, atrás de Magneto,[12] e a Empire em #8 na sua lista dos "50 Melhores Personagens de Sempre da Banda Desenhada".[13] O Joker tem servido como adversário do Batman no cinema, na animação e nos videojogos, incluindo na série de televisão da década de 1960, Batman, (interpretado por Cesar Romero), no cinema por Jack Nicholson em Batman (1989), por Heath Ledger em The Dark Knight (2008) e por Jared Leto em Suicide Squad (2016). Mark Hamill, Michael Emerson, Troy Baker, entre outros, já deram a sua voz ao personagem animado.

HistóriaEditar

Origem Desconhecida Editar

Apesar de haver diversos relatos e histórias, a versão mais conhecida é que a pessoa que futuramente se tornaria o psicopata criminoso, participou de uma tentativa de assalto a uma Fábrica de Cartas de Baralho em Gotham City, disfarçado como o então criminoso Capuz Vermelho, ao lado de mais outros dois comparsas. Tal invasão e assalto fracassaram, ele acabou perseguido pelo próprio Batman,e na fuga, cercado sobre um tonel de produtos químicos desconhecidos, preferiu se jogar nele a ser preso pelo Cavaleiro das Trevas. Ele conseguiu escapar livre e sobreviver ao pesado banho químico, mas sua pele restou com a pigmentação absolutamente branca, enquanto seu cabelo ficou definitivamente verde, e os músculos faciais ligados à boca foram deformados definitivamente, ganhando um eterno aspecto de sorriso. O choque , ao perceber a aberração em que havia sido transformado, o enlouqueceu de tal modo que ele se tornou o assassino psicopata, anárquico que se auto batizou Coringa. A partir dessa versão, há várias outras possíveis, que complementam ou mesmo se chocam com esta, nenhuma, no entanto, sendo jamais comprovada. Embora muitas histórias tenham sido relacionadas, uma origem contada diretamente nunca foi estabelecida para o Coringa nos quadrinhos e seu verdadeiro nome nunca foi confirmado. O próprio vilão se diz confuso quanto ao que realmente aconteceu, como em A Piada Mortal: "Às vezes eu lembro que uma maneira, ora outro... se eu vou ter um passado, prefiro que seja de múltipla escolha Ha! ha ha!".

Um primeiro conto de origem foi em Detective Comics # 168 (fevereiro de 1951), quando foi revelado que o Coringa tinha sido o Capuz Vermelho. Na história, ele é um engenheiro químico que ficou vigiando para roubar a empresa que o empregou, e adotou o disfarce daquele bandido. Depois de cometer o roubo, o que frustra o Batman, ele cai em um tonel de resíduos químicos. Surge pouco depois com a pele branca, lábios vermelhos, cabelos verdes e um sorriso persistente.

A identidade do Coringa como Capuz Vermelho é confirmada em Batman # 450, quando o bandido encontra o velho traje de capa que manteve e coloca-o para ajudar na sua recuperação após os eventos de Uma Morte em Família. Mas isso não é o suficiente para se dar como fato, pois essa não é a primeira origem que foi "confirmada" posteriormente em histórias canônicas.

A história "Pushback" (Batman: Gotham Knights # 50-55) suporta parte desta versão da história de origem do Coringa. Nele, uma testemunha (que por coincidência acaba por ser Edward Nigma) relata que a mulher do Coringa foi sequestrada e assassinada por um policial corrupto que trabalhava para os criminosos, a fim de forçar o engenheiro a realizar o crime. O Coringa tenta localizar o assassino, mas depois que seus capangas são assassinados por Prometeu, ser duramente espancado por Silêncio, e em seguida, expulso de Gotham, não consegue. "Payback", também mostra imagens do Coringa pré-desfigurado - identificado como "Jack" - com sua esposa, dando mais suporte a esta versão.

A versão mais aceita foi a contada na citada graphic novel "Batman: A Piada Mortal" de 1988, escrita por Alan Moore e desenhada por Brian Bolland.[14] Nela, o futuro Príncipe Palhaço do Crime era um químico, que saiu do seu emprego na Fabricante de Cartas de Baralho, para realizar seu sonho de viver como Comediante Stand-up. No entanto, ele fracassa, o que o leva a uma situação financeira dramática pra ele e pra sua esposa Jeannie, grávida de seu filho. Desesperado, ele aceita trabalhar com dois assaltantes, auxiliando-os a invadir e roubar sua ex-empregadora. No entanto, em um único dia terrível, sua esposa morre junto com seu filho não nascido em um acidente doméstico. Ele então é ainda coagido a realizar o assalto já marcado, o qual, como já relatado, acaba em fracasso e mais uma tragédia sem volta para ele, ficando deformado irremediavelmente. Todas as tragédias acumuladas deste dia o transtornam e o enlouquecem drasticamente, transformando-o no Coringa. Não há de fato uma versão certa, visto que o próprio Coringa diz: "Algumas vezes me lembro de um jeito, outras, de outro. Se vou ter um passado, prefiro que seja de múltipla escolha! Ha Ha ha".

Alan Moore se baseou na primeira versão que contava que o bandido era um ex-engenheiro químico com uma família para sustentar.

Em uma outra versão o Coringa era Joseph Kerr, uma criança problemática: vivia psicologicamente no seu mundo isolado após a separação de seus progenitores. Seu pai, em um momento de raiva, ao ver Joseph chorar, perguntou porque ele estava tão serio, e logo depois cortou a boca de seu próprio filho, deixando-o com uma cicatriz no lado esquerdo do rosto. As crianças com quem estudava o consideravam estranho, mas ele dizia que não era assim mas todos os demais eram. Em resposta, sua colega disse que se todos eram estranho e ele era único normal, ele continuaria sendo considerado estranho. No mesmo dia, ele arrumou briga com um colega de escola e fez o garoto ir para o hospital e levar 12 pontos na cabeça. Após ter sido expulso de 3 escolas, desistiu dos estudos. Foi levado ao psiquiatra, mas nunca mudou sua personalidade estranha. Seu pai o considerava louco e desconsiderava ele como filho. Um dia, já atingida sua adolescência, ele fugiu de casa e a incendiou com seus pais dentro. Enquanto olhava a casa queimar cortou a outra parte de sua boca formando um sorriso completo em seu rosto. Não se sabe o que fez em seguida: acredita-se que virou ladrão de joalherias e assumiu o nome de Jack Napier até se transformar no Coringa. Esta versão soa um tanto desapropriada pois no seu rosto nos quadrinhos, não vemos cicatrizes como nessa versão mas ficou bastante conhecida por ter sido uma das contadas no filme The Dark Knight pelo Coringa de Heath Ledger.

Há ainda uma terceira versão, amplamente aceita, e também amplamente questionada em que o Coringa tem seus problemas de infância (como contado na segunda versão), e ao crescer, decide roubar uma fábrica da companhia de cartas, para se vingar de sua demissão do cargo de engenheiro químico, e, ao tentar fugir, se joga em um duto que levava lixo tóxico proveniente do material de tintura das cartas. O resultado é o desconhecimento de seu paradeiro ao mesmo tempo que surge a nova figura: Cabelos verdes, lábios vermelhos e pele branca tornam-se a nova marca registrada do personagem.

Em Arkham Asylum: Uma Casa Séria na Terra Séria, escrito por Grant Morrison, é dito que o Coringa não pode ser louco, mas tem algum tipo de "super-sanidade", no qual ele se recria a cada dia para lidar com a fluxo caótico da vida urbana moderna.

A história de Paul Dini-Alex Ross "Case Study", propõe uma teoria muito diferente. Esta história sugere que o Coringa era um gângster sádico que trabalhou à sua maneira a cadeia alimentar do crime de Gotham até que virou o líder de uma máfia poderosa. Ainda buscando as emoções que o trabalho sujo permitia, criou a identidade do Capuz Vermelho para si mesmo para que pudesse cometer pequenos crimes. Eventualmente, ele teve seu fatídico encontro com o primeiro Batman, resultando em sua desfiguração. No entanto, a história sugere que o Coringa ficou são, e planejou para que seus crimes parecessem com o trabalho de uma mente doentia, a fim de prosseguir a sua vingança contra Batman e fosse capaz de evitar o encarceramento permanente alegando insanidade. Infelizmente, o relatório escrito encontrado explicando esta teoria é descoberto que foi escrito pela Dra. Harleen Quinzel, também conhecida como Harley Quinn, ajudante / amante insana do Coringa, o que invalida qualquer credibilidade que poderia ter em tribunal.

O segundo arco de Batman Confidential (# 7-12) re-imagina o Coringa como um criminoso talentoso que abandona a identidade do Capuz Vermelho, também chamado Jack, e é quase suicida devido ao tédio com o seu "trabalho". Ele fala com uma garçonete, Harleen Quinzel, que convence-o a encontrar algo para viver. Jack torna-se obcecado com o Batman depois que ele sai de um de seus empregos, levando Jack a atrair a atenção do Batman em um baile. Jack fere Lorna Shore (quem Bruce Wayne está namorando), levando o herói a desfigurar o seu rosto com um batarangue. Jack escapa e Batman dá informações dele aos mafiosos, que o torturam com uma planta química. Jack mata vários de seus agressores depois de fugir, mas cai em um tonel vazio como punções de tiros selvagens dos tanques químicos acima dele, e a inundação resultante de produtos químicos antidepressivos alteram sua aparência para a de um palhaço, completando sua transformação no Coringa.

Então se o Coringa já teve um nome, ou o mais próximo de um alter-ego, esse seria é Joseph "Joe" Kerr, ou, como mostrado no filme de 1989 e na série de animação Batman: The Animated Series, Jack Napier. Na maioria das adaptações a que se referem ao passado do personagem, seu nome é Jack. Mas ainda sim nada pode ser dado como certeza se tratando do Coringa
CoringaOuro

Coringa na era de ouro.

Era de ouroEditar

Em sua primeira aparição nos quadrinhos, em 1940, o Coringa era um ladrão de joalherias, que matava as pessoas presentes no local do assalto. Nos anos 1940 e 50 o Coringa sempre aparentava morrer mas nunca recuperavam seu corpo.

Era de prataEditar

O personagem se alterou para uma versão mais amena em 1960 devido ao Comics Code Authority, que vigiava o conteúdo das histórias em quadrinhos. Voltou a uma versão próxima a original em 1973, quando Dennis O'Neil e Neal Adams criaram um Coringa maníaco homicida obcecado com Batman.

O Coringa foi ainda responsável pela separação da Dupla Dinâmica original, ao quase matar o Robin Dick Grayson, baleando-o no ombro. Robin sobrevive, mas a quase morte de seu pupilo levou Bruce Wayne a perder a confiança nele, até por temer perdê-lo em combate.

Era piadaEditar

RedHoodJoker

Capuz Vermelho se torna o Coringa.

Em A Piada Mortal, Coringa era um humorista mal-sucedido que tinha uma esposa grávida, e temia que seu filho nascesse e tivesse uma vida ruim, temia não poder sustentá-lo, então começou a se envolver com criminosos para assaltar uma fábrica de baralho usando a identidade de Capuz Vermelho.

De última hora, foi avisado que sua esposa havia morrido em um acidente doméstico, assim como seu futuro filho. O homem tentou desistir, mas era tarde, e os outros criminosos o forçaram a continuar.

O assalto foi frustrado pela aparição de Batman, e o homem que posteriormente seria o Coringa caiu em um tanque com substâncias desconhecidas. Aquele dia marcou sua vida como um "dia ruim", e após ver o que havia se tornado, e que estava sozinho ele enlouqueceu, adotando o codinome de Coringa, o príncipe palhaço do crime.

Outras teorias vem surgindo com o passar dos anos, como por exemplo de que o Coringa, quando criança, tinha um pai envolvido com drogas, o que levou o futuro Coringa a testemunhar o assassinato traumático de sua mãe. Após matar sua esposa, o pai virou-se para o filho lhe perguntando "Por que está tão sério?" e com uma navalha em sua boca, retalhando seu rosto, levando o garoto a se vingar do pai posteriormente.

Para por em prática seu objetivo de mostrar a insanidade dos outros, vai até a casa de Jim Gordon e atira em Barbara, deixando-a paralítica. Ele então sequestra Gordon e o leva para seu circo junto com um bando de circentes insanos. Corina o tortura tentando amedrontá-lo até que enlouqueça, mas Gordon acaba se livrando com ajuda do Batman.
JokerJason

Coringa bate em Jason Todd com um pé-de-cabra.

Outra ocasião onde o Coringa foi muito importante, em Morte em Família, já muito tempo após ter deixado Barbara paralítica, quando Jason Todd, o segundo Robin descobriu quem era a sua verdadeira mãe e foi atrás dela, que havia sido sequestrada pelo Coringa, que o sequestrou também e com um pé-de-cabra e quase o matou. Por fim, o deixou com uma bomba, que explodiu matando Jason junto a sua mãe.

Ao fim da saga Batman: Terra de Ninguém, o Coringa sequestrou e ameaçou matar um grupo de bebês recém-nascidos. Para impedi-lo, a esposa do Comissário Gordon, Sarah Essen-Gordon acabou sendo assassinada.

AparênciaEditar

JokerAparence
Sua aparência geralmente varia para se encaixar com a forma como sua origem é contada. Geralmente é descrito como um homem com a pele branca, boca vermelha e cabelo verde, com um grande sorriso no rosto e vestindo um paletó roxo.

Em algumas versões como em O Cavaleiro das Trevas,em outras ocasiões, sua pele branca nada mais é que uma maquiagem normal, e seu cabelo verde é tinta, mas sua boca enorme é consequência de cortes no rosto, formando cicatrizes. Em esquadrão suicida ele aparenta está mais musculoso que o normal e com a pele cheia de tatuagens.

PersonalidadeEditar

Coringa teve inicialmente uma personalidade assassina e fria, mas com a censura dos quadrinhos que ocorreu voltado para a década de 1950, o palhaço do crime se tornou um brincalhão e aprontador de crimes mais leves. A partir de 1971, o Coringa passou a ter um caráter cada vez mais malvado e psicótico. Coringa possui um senso de humor bizarro, onde adora rir da tristeza e desgraça alheia, e fazer piadas sobre isso. É também um anarquista, ou seja, odeia a política, além de ter como um de seus objetivos principais mostrar ao mundo que todos podem enlouquecer.

Poderes e HabilidadesEditar

Capacidade de CuraEditar

Recentemente foi revelado que assim como Ra's Al Ghul tem o Poço de Lázaro para se curar, Coringa também tem uma certa capacidade. A substância presente no poço é consequência da queda de um meteoro a milhares de anos. Coringa teve um pequeno contato com a radiação do meteoro e recebeu uma capacidade de cura muito leve, mas que ainda pode ser bem útil.

EquipamentosEditar

FacaEditar

Coringa costuma andar para qualquer canto guardando consigo uma faca afiada.
JokerFaca

Sua faca

ExplosivosEditar

Coringa possui vários explosivos de diferentes formas. Pequenos, grandes, alguns com gás, outros comuns, alguns com pequenas energias nucleares e etc.

Outras armasEditar

Coringa possui um arsenal enorme de vários tipos de armas. Muitas delas presentes em simples brinquedos que usa para fazer piadas, porém já usou armas de fogo. Quando não tem nenhuma arma, ele costuma improvisar, usando qualquer coisa a seu redor.

CuriosidadesEditar

  • O nome verdadeiro do Coringa é desconhecido nos quadrinhos, mas no filme Batman (1989) e na série de animação Batman: The Animated Series, seu nome é Jack Napier. Na maioria das adaptações a que se referem ao passado do personagem, seu nome é Jack (sobrenome nunca revelado). Mas ainda sim nada pode ser dado como certeza se tratando do Coringa.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.